sexta-feira, 2 de março de 2012

Tem um homem me olhando da fechadura da porta



Intimidade para mim é às vezes está só, mas não tão só... Quem sabe na companhia do vento, do tempo, de um mosquito solitário ou até mesmo, acompanhada de um pernilongo solidário.

Mas não, naquele momento estava completamente só, sem o vento para consolar meu desalento, nem mesmo o tempo marcava meu passa tempo; passando o tempo do tempo do meu pensamento.

Fim do dia... Sem o tempo para marcar o meu passa tempo, fechei a porta do quarto já me despindo devagar... Abrindo um botão, depois outro da minha blusa de borboleta, louca já querendo voar, com pressa se pôs a escorregar... — de súbito puxei-a — pois senti profundos olhos a me espreitar, ávidos por me tocar, olhei ao redor, mas nada vi. Olhar mais atento percebi: TEM UM HOMEM ME OLHANDO... DA FECHADURA DA PORTA... Sussurrei.

Silencioso, não era um garoto; mas era maroto, de alma leve, caminho simples, sorriso quente e mãos ardentes. Que olhos são esses que me abraçam sem eu o querer, me acalentam, envolvendo-me como morna brisa, pouco-a-pouco adormecem meus sentidos. Faltam-me às palavras, elas sempre me faltam quando não convém.

Oh! Mulher despudorada, porque não fechas a fechadura de tua porta com as pontas dos dedos? Pensei eu com minha consciência racional transbordante de “LÓGICA”. Pensei... LÓGICA, LÓGICA, LÓGICA mulher! É! É assim que tem que ser. LÓGICA. Mas não o fiz!

Pensei de novo. É... Podia fazer isso, mas não fiz, não quis.

Continuei a me despir. Devagar sem pudor e desprovida de dor. Desprovida de dor? Mas até bem pouco tempo o meu peito não sangrava, como se  houvesse sido cortado a faca? O que aconteceu? A dor não espeta e o peito não aperta? Isso não é LÓGICO! Acho que foram os olhos do HOMEM ME OLHANDO DA FECHADURA DA PORTA... Seus olhares me foram bálsamo.... O simples me foi precioso e poderoso.

Mesmo assim tenho medo.

Porque o medo, se não tens pudor? Lembra-me mais uma vez, minha malvada CONSCIÊNCIA acompanhada de sua irmã, a indispensável RAZÃO e de sua prima à irritante LÓGICA.

Calem-se vocês todas! O fato é que TEM UM HOMEM ME OLHANDO DA FECHADURA DA PORTA. Não me importo que ele me veja nua e muito menos que eu seja sua. O que me preocupa são se seus olhos pousarem em minhas marcas, meus muros, minhas armas e algumas amarras que deixei... Para lembrar-me.... Proteger-me...

O quê que há, ó CONSCIÊNCIA pertubadora? Porque me importunas se não é a minha falta de pudor que me incomoda? Quer saber o que pertuba o meu sossego?
 ...TER UM HOMEM ME OLHANDO NA FECHADURA DA PORTA DA MINHA ALMA. Isso sim é preocupante, por isso o pronunciar sussurrante.

Simples... A porta não é a do meu quarto.
Ingenuamente simples e infantilmente complicado...


Rabiscos, simplesmente rabiscos de “Suspiros de uma mulher.”
De: Regina Márcia.