sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Um dia de gato.

Paulino é um homem na casa dos 30 anos. Acompanha os acontecimentos políticos diariamente. Seu lema é: Temos que ficar de olho nessa corja corrupta, que só levam vantagem nas nossas costas! O lema dele é: Sou como um gato. Tenho sete vidas. Pra agüentar o tranco diário, só assim!
 Hoje vamos acompanhar um dia desse GATO, ou melhor,  desse "trabalhador"! Ele tem ou não tem uma vida de Gato? Fica para você caro leitor as considerações finais...

Às 7 h ele se levanta liga a televisão. Ele tem TV a gato. Assim, acompanha as notícias nacionais e internacionais sem pagar nada. Enquanto se arruma pra mais um dia é acometido pela preguiça matutina. Liga pra um colega de trabalho e pede para dizer ao chefe que vai chegar tarde, pois está preso no trânsito.

Preguiçosamente sai com seu carro pela rua. Olha de um lado e do outro pra ver se não tem nenhum guarda de trânsito. Pega o celular e liga pra sua colega de faculdade pedindo pra ela colocar o seu nome no trabalho final Ficou até tarde no boteco e não fez a sua parte. Pensa: Ela é doida comigo vai colocar o meu nome sem reclamar.

Mais adiante, para em fila dupla pra comprar o jornal. De volta ao carro ve na primeira página “Deputado acusado de desvio de dinheiro”. Fala consigo mesmo: Todo dia é a mesma coisa nesse país! Política suja! Políticos corruptos! Assustado percebe que estão buzinando em sua traseira. Ele bagunçou o trânsito. Fica irritado e solta um palavrão saindo tranquilamente. Chegando perto do prédio onde trabalha não tem vaga. Resolve estacionar em vaga pra deficientes. Melhor do que pagar um estacionamento. Essa vaga está aí à toa mesmo. Pensa.

No escritório faz trocentas ligações para celular de amigos. É proibido, mas ninguém ta vendo. Em uma das ligações tenta arranjar uns recibos pra abater em seu imposto de renda, este ano tem como objetivo pagar menos impostos.

No fim da tarde comenta com um colega: Você viu as notícias? Mais um deputado na lista negra da corrupção. Não sei onde vamos parar com essa gente. Dito isso, arruma suas coisas. Até que enfim o dia terminou! Não concluiu seus fazeres do dia, pois, chegou tarde, ficou pendurado ao telefone, entrou no FACE e jogou paciência e foi almoçar. O período da tarde não foi suficiente. Disse para o chefe do departamento que o CP deu pau e que amanhã terminaria tudo sem falta.

Já no carro resolveu matar aula. Ligou pra uma colega e disse que havia pegado uma gripe muito forte. Passou em uma clinica e comprou um atestado médico pra apresentar na faculdade no dia seguinte.

Em casa colocou as chaves do carro sobre a mesinha de centro esvaziou os bolsos do paletó. Tirou de lá: duas canetas, um marca texto, clips, uma borracha. Lembrou que havia esquecido o xerox do livro que tirou na máquina da empresa. Ia economizar R$10,00. Todos os dias ele trazia pequenas coisas do escritório. A maioria ele nem precisava.

Deitou no sofá, ligou a TV a gato pra assistir o jornal da noite. Estava passando o episódio giro pelo mundo.
“... políticos Coreanos saem nos tapas em...,... mulher furta dois queijos em padaria de Belo Horizonte..., a seca castiga o Norte de Minas..., pré candidatos a vereador já se preparam para eleições 2012..., ONG desvia verba de projetos sociais...”

Ter um dia de gato. Depende do ponto de vista. Ainda bem que a maioria do povo brasileiro leva uma vida de gente mesmo. 

Como dizemos aqui na minha terra. Viver desse jeitiim nundá! Miómudá.

Texto de Regina Márcia

É preciso ter disposição para conviver.

O mundo é um lugar maravilhoso pra se viver. Cuidar bem de nossas coisas e tratar com respeito e gentileza as pessoas que estão ao nosso redor é o primeiro passo para uma boa convivência . Só precisamos de disposição, pois não é fácil cultivar essa ARTE.
Eu te abraço, vc me beija...  nós brigamos, fazemos as pazes e começamos tudo de novo. E por aí vai... a construção das relações.
Texto de Regina Márcia