quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Exílio Interior


Hoje nada tenho para compartilhar, a não ser o meu exílio interior!
Embora muitas coisas de meu interesse estejam acontecendo nesse momento, hoje preciso ficar assim... no barulho ensurdecedor do meu SILÊNCIO na companhia de Gonçalves Dias.




Canção do exílio


"Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.



Nosso céu tem mais estrelas,

Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.



Em cismar, sozinho, à noite,

Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.



Minha terra tem primores,

Que tais não encontro eu cá;
Em cismar - sozinho, à noite -
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.



Não permita Deus que eu morra,

Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá."


Gonçalves Dias


Desejo avistar as montanhas exuberantes das minhas Minas Gerais, sobre o sol quente do desejo profundo, indo pouco a pouco secando as lágrimas chuvosas que por aqui caem. 

Em solidariedade aos estados que sofrem nesse momento com às enchentes ou com a seca.

Reflexão de Regina Márcia