sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Carpe Diem Tutankamon


Literalmente, esta frase significa « Colhe o dia presente e sê o menos confiante possível no futuro”. Ela foi tirada de versos latinos do poeta Horácio, interessado no epicurismo e no estoicismo ( nas suas Odes, I, 11, 8 “A Leuconoe”). Ela resume o poema que a precede e no qual Horácio busca persuadir Leuconoé a aproveitar o momento presente e dele retirar todas as suas alegrias, sem se inquietar nem com o dia nem com a hora de sua morte. Fraguentos retirados de http://pt.wikipedia.org/wiki/Carpe_diem


Tutankamon
 Mas não quero falar de "sê o menos confiante possível no futuro". Quero falar do presente e das coisas que colhemos dele. 
Ao contrário da brevidade do outro texto esse não será breve e nem longo. Porém na medida certa!
Pensei nesse poema de Horácio para tentar materializar sua leveza de atitude sem medo de ser audaz. Expressar sua essência epicurista de procurar um bem maior nos prazeres moderados atingindo assim, um estado de tranquilidade banindo o medo de falar. Em "Refletindo... Em poucas palavras" vc foi assim, pois o bem maior no momento foi o desejo de compartilhar outro pensamento reflexivo. O primeiro não é uma reflexão machista, muito pelo contrário. Mas não vou me alongar nessa vertente. Que o leitor observe ao redor e reflita sobre o caso. O segundo é grave. Provocado na maioria das vezes pelo silêncio dos bons. Temos que pensar muito sobre isso! Mas um completa o outro de uma forma estranha, realizado com isso, um casamento impensável Até o momento de seu comentário. Ainda estou pensando sobre isso, rsrsrsrsrsrsrs. Terei pensamentos para horas, quem sabe dias. Sou assim... movida por possibilidades.
Você comentou:
(1)Antigamente as mulheres cozinhavam igual à mãe...
Hoje, estão bebendo igual ao pai!"

(2)Antigamente os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas; hoje em dia, pedem votos".


Compartilho com meus leitores a oportunidade que tive lá no DiHitt, ou seja  refletir sobre suas palavras. 


Tutankamon é egípcio, um rei que sei. Porém, escolhi um Romano para homenagear você e sua ousadia. Observe os grifos, pois são para você.
                                                      
Tu não indagues (é ímpio saber) qual o fim que a mim e a ti os deuses tenham dado, Leuconoé, nem recorras aos números babilônicos. 
Tão melhor é suportar o que será! Quer Júpiter te haja concedido muitos invernos, quer seja o último o que agora debilita o mar Tirreno nas rochas contrapostas, que sejas sábia, coes os vinhos e, no espaço breve, cortes a longa esperança. 
Enquanto estamos falando, terá fugido o tempo invejoso; colhe o dia, quanto menos confiada no de amanhã.
 Glossário

Estoicismo: escola de filosofia helenística. séc III a.c - Atenas
Epicurismo: sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos. séc.IV a.c
Não devemos indagar o tempo, mas devemos refletir sobre tudo que beija o vento
Pesquisa e fragmentos retirados na Wikipédia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Carpe_diem 

Comentando os grifos que fiz para você.

Não indagaste o fim que seus comentários lhe traria, e sim o bem que poderiam fazer. Escolheu suportar o que poderia vir, depois que os fizeste. De maneira sábia não causou ofensa, acredito ter sido porque não temeste a vaidade alheia. Preocupando-se mais, em não perder o dia, ou melhor a oportunidade da vida, que pode ser a qualquer momento levada pelo invejoso tempo, a qualquer hora. Pois sabes que ele passa rápido demais! Por isso colheu/aproveitou o dia, ou como preferir, Carpe Diem.

Um grande abraço!
Ótimo fim de semana.

2 comentários:

  1. Ei Rê,

    Rsrsrs, o tutankamon fez de uma forma divertida o que é a verdadeira realidade do hoje, a evolução mentirosa do bom para o melhor. As escolhas dos maus e o silêncio dos bons o que você sabiamente expôs na postagem anterior. Realmente foi ousado em falar aquilo que muitos omitem a verdade de ser bom escondido ao que é mal , corrupto, enganoso, e totalmente ao contrário dos princípios humanos e como você mesma disse, ai tem pensamentos para dias..

    Sou bem suspeita pra falar deste faraó, mas sem dúvidas ele tem uma sabedoria que admiro rsrsrs...e uniu se ao seu perfeito texto pronto, taí uma bela obra..

    Beijos minha linda e admirável amiga....

    ResponderExcluir
  2. Oi Regina,

    Você tem super razão em se preocupar com o silêncio dos bons, pois quando os bons falam, algumas luzes se acendem para iluminar-nos o caminho.

    Ao ajuntarem-se você e o querido Faraó, não dá só uma luz, vira um imenso farol por onde podemos enxergar uma trilha clara.

    A grande sabedoria e a generosidade, quando se ajuntam com a bondosa simpatia, temperada com a simplicidade bem à mineira, que tudo sabe mas só diz curtinho pra não "espantar o freguês", criam posts como este: Rei e Rainha entronizando não a si mesmos, mas ao pensamento.

    Pensar é saber fazer perguntas a si mesmo e você as faz muitíssimo bem, Regina, o resultado são suas brilhantes respostas como esta dada ao eterno Tutankamon, que sempre expressa as mais densas sabedorias, com imensa e cativante leveza de atitude (bem citado por você) .

    Beijos, nos dois queridos!

    ResponderExcluir